Archive for the ‘Amigos’ Category

Desde setembro que não escrevo nada no blog. Vergonha total. Mas a anarquia é marca registrada do Esblogo, então está tudo certo. Mas não podia deixar de passar por aqui para a minha tradicional mensagem de final de ano.

Começo dizendo o de sempre: o que mais gosto no Ano Novo, é que tudo que era velho, fica novo! Tudo é a primeira vez. O primeiro banho do ano, o primeiro rango, a primeira coca, a primeira cerveja, o primeiro abraço, o primeiro beijo… Tudo que era comum fica especial de novo, num passe de mágica. Isso tem nome e é RENOVAÇÃO. É a chance que temos a cada 365 dias de pensar na vida, de recomeçar, de melhorar. De ter, de novo, primeiras vezes. E, como sempre me pergunta o Leo, qual foi a última vez que você fez alguma coisa pela primeira vez?

É nossa hora de pensar na vida. E se 2009 foi um ano de muitas perdas, 2010 foi um ano de estabilização. Muito trabalho, também, acho que o ano que mais trabalhei, mas sempre procurando manter as coisas boas. E nesse aspecto, foi um bom ano. Começou e termina igual. Espero que isso seja a indicação de que 201o tenha sido o ano em que a base foi construída, para que 2011 seja um ano de crescimento.

De tudo que aconteceu em 2010, o mais bacana foram as novas amizades. Gente que eu adoro ter por perto, gente do jeito que todo mundo deveria ser. Bem humorados, certos, competentes e companheiros. Gente que espero ter por perto por muito tempo.

De ruim, fica a distância que cresceu entre alguns bons amigos, que amo, mas que estamos em caminhos diferentes. E por mais longe que estejamos, sem bater papo, sem tomar umas e dar risdas, nunca deixei de gostar e desejar o bem.

E claro, a família, que fica cada dia mais bonita. Falo isso sempre, e vou falar de novo: se eu soubesse que era tão bom ter filho, já teria tido antes. E se eu soubesse que o meu filho seria o Pedro, então… Fora os sobrinhos. A alegria da molecada quando está aprontando comigo vale qualquer coisa.

Os também tradicionais comentários nominais de final de ano:

Pedro e Dé – sem vocês, não tenho vida.
Pai e mãe – também, por motivos óbvios! Como diria a poetisa, obrigado por terem me tido! ;o)
Dê, Pelvin, Caio e Theo – como sempre, tudo porco-mamão!
Sogro, sogra, cunhados, agregados e aderentes – a família Buscapé.
Mocorongos, Sip, Alê, Lilica, Lumaria – saudades demais. Que 2011 a gente se veja sempre.
Leozito e Rubones – os irmãos que achei perdidos mundo afora.
Yabu e Gica – Cumpadi e cumádi, que vão me dar uma sobrinha nipo-tedesca de cabelo colorido!
Joanets, Anacris, Tiks, Ana Lentilha, Beto, Claudiones – talvez nem saibam o tanto que eu gosto de vocês. Mas sejam bem vindos à listinha de final de ano. :o )

É isso. Tchau, 2010.

Oi 2011! Daqui a pouco a gente toma uma juntos. Pela memória de quem se foi, pela saúde de quem ficou, pela alegria de quem chega com você.

Feliz Ano Novo, mundo!

Uma semana corrida, mas bacana. Muitas novidades.

Uma delas é que agora o Pedro foi para o berçário, porque a Dé voltou para o trabalho. E a gente já causou na escolinha / berçário, mas acho que é mais porque somos marinheiros de primeira viagem do que qualquer outra coisa. Até agora, que ele está com 5 meses, só a gente ficou com ele. E agora que a gente tá deixando ele com outras pessoas, acho que estamos sentindo mais o golpe do que ele. Mas não tem muito o que fazer, infelizmente. É da vida.

Outra é que o Henrique, primo do Pedro, está chegando. A gente já deve conhecer ele no final de semana. Eu estou bem ansioso para conhecê-lo, não vou mentir. Para mim, ele é o primeiro sobrinho do lado de lá da família. Os outros 3 sobrinhos da Dé não consigo considerar que são meus, por uma série de razões que não dá nem prá tentar explicar, mas acho que é principalmente porque eles já existiam antes de eu namorar a Dé. O Henrique não, esse eu acompanhei desde o comecinho, então parece que é meu, também, que nem o Caio é da Dé. Difícil de entender, mas é assim que eu me sinto.

A pergunta que não quer calar: Cadê o Verão desse ano?

E nasce um mito: ODM! Em breve, esclarecimentos sobre isso, aqui mesmo.

Tava vendo os relatórios de acessos do Esblogo (uma coisa astronômica, como você deve saber) e vi que duas pessoas vieram parar aqui porque estavam procurando Jinn Farah no Google. Bwahahahahahahahahahahahahahah!

Deixa o Yabu saber disso, o japa sem vergonha.

ÊÊÊÊÊÊÊÊÊÊÊÊÊ!

O Caio nasceu hoje! Meu sobrinho! Meu afilhado! U-hu!!!!!

E eu tava lá. Eu vi! Agora é mimar o sobrinho até o priminho (ou priminha) dele chegar!

Sábado eu e a Dé saímos com o Yabu. A maior parte da conversa foi mais ou menos “onde vamos morar, porque São Paulo não dá mais”. Eu disse que tem três lugares no Brasil que eu adoraria morar. Floripa (besta eu, né?), Curitiba e Salvador. E fora do Brasil, acho que só o Canadá, mesmo.

O Yabu disse que não conhece nenhuma das cidades que eu gostaria de morar no Brasil, o que não deixa de ser um paradoxo. O cara conhece uma cacetada de cidades de fora do país, mas daqui mesmo ele conhece poucas. E ele acha que moraria tranquilamente em qualquer lugar da Europa. No blog dele você tem mais detalhes de cada uma das cidades que ele foi e o que ele achou, mas disse que adorou todo e qualquer lugar da Europa que ele passou. E como eu acredito nele, deve ser legal mesmo morar por lá.

Mais ou menos a mesma coisa que eu acho de morar no Canadá. Deve ser legal morar num lugar onde as coisas funcionam. Onde tem transporte público usável, onde tem segurança, onde você vê que os impostos que você paga viram serviços para você. O Cacá, meu amigo que mora no Canadá, sempre me fala que lá só tem carro quem quer, porque o transporte público é até mais fácil de usar e não para por causa da neve.

A Autrália, outro lugar que a gente gostaria de morar, só tem um probleminha: é longe prá porra. Qualquer coisa que aconteça que a gente tenha que vir para o Brasil, 40 horas de viagem… Deve ser de matar.

Já por aqui, Floripa não tem nem que falar: a cidade é linda, o povo é bonito, educado, é uma ilha (adoro ilhas), enfim, é tudo de bom. Curitiba é o que mais se aproxima desses lugares que falei. Parece que as coisas funcionam, por lá. A cidade é organizada, limpa, gente bonita, adoro aquela cidade. A única coisa é que de umas 15 vezes que já fui lá, só vi o Sol em uma! E eu gosto de Sol. Salvador é a minha preferida. Não acho que seja nem tão bonita quanto Floripa e nem tão organizada como Curitiba, mas não tem povo mais bacana nesse país que o baiano. Pessoal sangue bom, prestativo, educado, gente boa mesmo. O clima (não de temperatura) de Salvador é muito bom. Parece meio clichê a frase, mas é lugar de gente feliz.

Ainda tem São José dos Campos, que é uma cidade perto de São Paulo que eu gosto muito. É perto daqui, é perto de Campos do Jordão e perto de Ilhabela, um dos lugares que mais gosto nesse mundo. Mas São José ainda parece que falta alguma coisa, que não sei o que é. Quem sabe um dia ela não entra na minha lista de cidades preferidas para morar.

Mas tem que ficar claro que eu adoro São Paulo. Cultura, comida, compras, baladas, tudo aqui é bom. Mas é caro. E a violência, o trânsito e a poluição não sei se andam compensando o que tem de bom aqui, esse é o problema.

Quem sabe eu não começo a trabalhar na mesma coisa que o Yabu, e aí a gente vai morar na Europa, no Canadá ou em Floripa?

Em ritmo de musiquinha do Popeye:

Lilica vai ter nenê.

O Fábio vai ser papai!

O Paul vai ser titio, olelê!

E a Dé quer comprar um cachorrinho!

Não rimou? Belê! Mas olha só isso. Desde que a Lili foi morar com o Fábio (eles casaram depois de morar juntos!!! Pode uma coisa dessas?) eu falo que a galera espera o herdeiro (ou herdeira). Aí uma vez a Lilica saiu com um papo de pegar um cachorrinho e tal. Não rolou o cachorrinho e olha só o herdeiro aí!

O que tem a ver? Ontem a Dé me pediu um cachorrinho! E eu vou comprar amanhã mesmo!!

Paul 4 x 0 Persio

Esblogoogle
Passado
Eu no Twitter