Quem me conhece há algum tempo, e quem lê isso aqui geralmente conhece, sabe que tem uma coisa que eu odeio mais que injeção no olho: andar de ônibus!

Mas, semana passada, meu carro pifou. Aí ferrou! Tive que trabalhar algumas vezes utilizando o maravilhoso sistema de transporte público de São Paulo. Prá sair do Morumbi, onde moro, até o Paraíso, onde trabalho, cara, é uma aventura. Tenho que descer a rua de casa, pegar um micro ônibus (tem hífen?) até Pinheiros e aí pegar a novíssima linha amarela do metrô na Faria Lima. Esse trecho da viagem durava uma hora e vinte minutos.

A linha amarela é a boa surpresa do trajeto. As estações são legais e o trem, novinho em folha, é espetacular. Espaçoso, bonito, coisa nova, né? Acho que tem banco que ainda está com plástico do fabricante… :P De Pinheiros para a Paulista, daí até o Paraíso e uma pernadinha para chegar no trampo. Tempo total do trajeto, praticamente duas horas. De carro, levo 40 minutos.

Para voltar era um pouco pior. Subia a rua até o metrô Paraíso e ia até as Clínicas. Não dava para ir até a Faria Lima, porque a linha amarela só funciona até as 15hs. Das Clínicas até a Teodoro Sampaio, e o micro ônibus (ainda não sei se tem hífen) até perto de casa. Tempo total do trajeto, depois das 20hs, perto de uma hora e meia, coisa que eu também faço em 40 minutos, meia hora.

Fato é que não dá prá pensar em deixar o carro em casa e usar transporte público. Por isso o trânsito é uma desgraça, por isso que não dá prá andar nessa cidade. O metrô até funciona legal, mas não dá conta. É pouco trem prá muita gente. E pouco metrô para muita cidade. ônibus então é uma aventura. Tinha dia que eu achava que sairia voando pela janela, de tanto tranco, freada, loucuras cometidas pelos motoristas, ou seja lá o nome que se dê prá quem dirige ônibus.

A parte nonsense da coisa fica por conta de uma senhorinha que sentou do meu lado no ônibus, sacou o Blackberry e foi tranquilamente respondendo e-mails e SMSs o caminho todo. A senhora aparentava uns 60 anos ou mais, mas tinha uma intimidade com o bicho que eu fiquei admirado!

One Response to “Minha vida proletária”

Comente

Esblogoogle
Passado
Eu no Twitter