Esse final de semana, home alone e tal, aproveitei para tirar o pó de algumas coisas. Da Guitarra e do PS3, principalmente. E depois de muito deliberar para ver o que eu ia jogar, passando até pelo aluguel do Killzone 2, eis que me rendi, novamente, ao Burnout Paradise.

Sabe por que Burnout é foda?

Porque a EA e a Criterion (uma, outra ou as duas) descobriram antes de todo mundo como dar perenidade a um jogo e como continuar fazendo grana com ele. Muita gente criou Add-Ons para vários jogos, mas honestamente, tirando o Oblivion, que realmente mandou um que valia a pena, tinha muito caça-níqueis por aí.

Mas vamos ao que interessa, que é o que os add-ons do Burnout tem de legal. A primeira coisa é que eles realmente se aplicam ao conceito do jogo. Não só são mais e melhores carros, mas são novos esquemas de jogo, novos cenários, novas maneiras de interagir com outros jogadores e até novos troféus na PSN! :o )

Com os add-ons do Burnout dá prá brincar de polícia e ladrão, carrinho de brinquedo, jogar multiplayer offline e agora tem quase que uma cidade nova para jogar. Ou, como disse, a EA e a Criterion deram um jeito de um jogo que já tem mais de um ano de idade continuar atraente, atual e divertido.

A série Burnout sempre foi uma das mais divertidas em jogos de corrida. Burnout Revenge comia solto no meu PSP toda vez que eu ia viajar, até o dia que roubaram o coitado do PSP. Quando pintou a chance de pegar o Paradise para o PS3 eu nem pensei. Indiquei o jogo para o Pelvin quando ele tava comprando o PS3 dele e ele, meio descrente, foi na minha. Viciou de um jeito que até o troféu de platina do jogo ele já ganhou!

Que mais gente se espelhe nos exemplos da Bethesda (que faz o Oblivion e o Fallout) e da EA / Criterion e lancem uns add ons mais úteis, mais divertidos e menos caça níqueis. Com certeza é bom prá todo mundo. Para os jogadores, que valorizam seus jogos e para a empresa, que lucra mais em cima de um produto mais velho e já desenvolvido.

Comente

Esblogoogle
Passado
Eu no Twitter